A COP está de volta, já a partir de 31 de outubro em Glasgow. Com os preços da energia em alta nos mercados internacionais, será novamente o ambiente a “pagar a fava”? Com um equilíbrio ambiental cada vez mais frágil, o adiamento do investimento em energias renováveis terá consequências desastrosas.